Por Phoenix Motel / 11 de dezembro de 2014 / Sem categoria

Cio da Loba (por: Bela Esposa)

Vou contar pra vocês, uma experiência erótica alucinante que vivi ontem!
Uma putaria somente a dois.
Deixei meu homem enlouquecido, num êxtase animal.

Sexta-feira, chamei meu marido para passear por aí…
Pedi que ele abrisse o portão da garagem enquanto eu colocava umas coisas no carro.
Rapidamente assumi a direção, saí da garagem e falei que naquela noite eu estava no comando.
Coloquei um CD do Deep Purple que gravei especialmente para ele.
Próximo ao “nosso” motel, falei pra ele:
– De carona e ouvindo esse som, o que mais você poderia querer?
E, antes que ele respondesse, dei uma guinada e entrei decidida, rsrsrsrs.
Pedi uma suíte, enquanto ele me olhava perplexo, sem se manifestar.
Enquanto ele abria o quarto, peguei no carro a minha maleta mágica com os brinquedinhos que usamos quando estou nos dias do cio da loba, além de umas novidades bem excitantes.
Peguei também uma garrafa tequila que eu tinha levado para a noite.
Nesse momento, já podia sentir aquele calor tomando inteiramente meu corpo.
No quarto, ele já estava de sunga, preparando a sauna pra nós dois. 
Vesti meu biquinizinho, colocando a parte da frente para trás, deixando aparecer quase tudo. Entrei na sauna e notei que ele estava se cuidando bem gostoso pra mim.
Alto, moreno com um corpo escultural, parecia mesmo um Deus grego, com aquela linda careca lustrosa e lisa, Fantasiei a cabeça de um enorme caralho e não esqueci aquele pensamento pervertido. 

Saí da sauna, coloquei um outro biquíni ainda menor, que ele ainda não conhecia e calcei um salto alto pra empinar bem minha bundinha. Lambuzei meu corpo com óleo afrodisíaco, deixando minha pele brilhando prontinha pra ser tomada pelo meu amor..

Aconteceu exatamente o que eu esperava tão ansiosamente, ele me dominou com todo poder de um macho sedento por sexo.
Fizemos amor tão apaixonadamente, que suávamos de tanto prazer. Gemíamos e uivávamos numa mistura de dor e prazer.
Os dois corpos se misturando, em movimentos fortes, mas também carinhosos, com pegadas de mão que fizeram entregar-me completamente. Àquela altura, permitiria o que ele quisesse fazer comigo. Queria ser preenchida, recheada por aquela vara grossa e dura.
Devoramos um ao outro, até entrarmos num transe orgásmico e, entregues, num abraço apertado e profundo gozamos deliciosamente por repetidas vezes.

Depois ficamos nos curtindo, ouvimos músicas e então comecei a dançar. Adoro dançar pra ele!
Ele, hipnotizado com os meus movimentos sensuais e provocantes me perguntou, comendo-me com seus olhos felinos:

– Você trouxe alguma outra roupinha especial?

E eu respondi:
– Trouxe uma saia bem pequenininha de oncinha…
– E essa você ainda não viu!!!
Vesti pra ele, que, surpreso, ficou babando como um cachorrinho. Dancei sedutoramente de salto alto, saia de oncinha, deixando a parte de cima nuazinha, exibindo pra ele minha tatuagem todinha.
Quando percebi, ele estava tocando o pau bem gostoso, na beira da cama. Pediu para eu tirar a calcinha e fiquei dançando, agachando e rebolando pra ele.
Ele deitou no chão e pediu pra eu me esfregar na sua cara. Ele queria sentir o cheiro da sua fêmea. Ficou totalmente atordoado, explodindo de tesão…
Eu fiquei louca com toda aquele jogo do acasalamento fluindo tão intensamente desde o inicio da noite e me vi completamente envolvida e seduzida pelo seu olhar penetrante e sua boca carnuda e molhada esfregando em minha bocetinha.
Muito fêmea, feroz e melada de prazer…
Esfregava como louca a minha bocetinha naquela careca, toda gozada com meu leitinho doce. Pegava-me com sua mão, chupando e sentindo todo meu corpo, invadindo, possuindo e tocando-me como seu violino do desejo.
Encheu-me de amor…
Uma loucura!
Acabamos na cama, sonhando acordados.
Chupei muito a vara, olhando bem de pertinho no espelho. Ele me pediu pra eu ficar olhando como eu engolia tudo até o fim e para eu ver a expressão faminta de prazer estampada em meu rosto.
Fiquei louca e finalmente ele me penetrou, rasgando-me sem dó. Enterrou aquela vara linda, grossa, dura com as veias pulsando e uma cabeça vermelha reluzente de tanto prazer e tesão.
Comecei a lambê-lo como um delicioso pirulito daqueles que a gente quer que nunca chegue ao fim.
Fui deliciada com um leite grosso e forte jorrando. Saboreei e engoli quase tudo… 
Quase, porque não poderia deixar de levar aquela esporrada na minha cara.
Cara de menina-mulher assanhada e insaciável.

Fonte: Texton